/// Terceiro setor

Entenda a importância da tecnologia no terceiro setor

Ao investir em tecnologia, cumpre-se a legislação, reforça-se a credibilidade da instituição, e aumentam-se os recursos e o número de pessoas atendidas.

Data de Publicação: 19/06/2020

Da arrecadação de doações até a busca por recursos federais, a tecnologia no terceiro setor é importante, concorda? Mas, afinal de contas, por que podemos afirmar que ela é o futuro desse segmento?
Para responder à pergunta, precisamos analisar o contexto. Em 2014, foi publicada a Lei 13.019, também chamada de Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Desde sua vigência, em 2017, todas as ações precisam ser apresentadas por meio de portais da transparência, inclusive as de organizações do terceiro setor.
Ou seja, qualquer OS (Organização Social) precisa cumprir essa lei. O que fazer para implementar a tecnologia no terceiro setor? Por que ela é realmente importante? Para entender melhor esse cenário, conversamos com a diretora executiva da Eleva Consultoria, Emília Vasconcelos. Acompanhe a leitura para saber por que sua organização deve investir em tecnologia para aparecer e se destacar!

Tecnologia para pessoas

O terceiro setor começou no Brasil como uma oportunidade para as pessoas fazerem o bem — esse ainda é o principal objetivo. A diferença é que, antes, indivíduos com interesses comuns se reuniam em torno de associações. Alguns conseguiam recursos públicos, outros dependiam exclusivamente de doações.
Hoje, você sabe que já não funciona mais assim. A profissionalização começou de modo gradual e lento, mas, aos poucos, as pessoas envolvidas passaram a focar suas atividades para o terceiro setor. Essa mudança é importante, porque fortalece as atividades. Acreditamos que você concorda com isso.
Com o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, a profissionalização tornou-se ainda mais importante. Antes, boa parte das instituições nem tinham site. Hoje, é primordial envolver-se com a tecnologia. Por que houve essa mudança?
Além da própria lei, as modificações sofridas pela sociedade fazem essa exigência. Até mesmo porque, quando pensamos em pessoas, precisamos considerar:

  • trabalhadores da ONG, que devem estar engajados e ter os recursos necessários;
  • dirigentes do terceiro setor, que precisam garantir o acesso às tecnologias e ter uma equipe específica de TI;
  • atendidos pela instituição;
  • doadores, que podem ser pessoas físicas ou jurídicas, do governo ou não.

Ao investir em tecnologia, cumprimos a legislação e mostramos que nossa instituição é confiável. Ao mesmo tempo, há mais chance de conseguir recursos e até aumentar a quantidade de pessoas atendidas. Você já tinha pensado nisso?

Papel da tecnologia no terceiro setor

Já considerou por que a tecnologia é necessária ao terceiro setor? No nosso dia a dia, usamos computadores, tablets e celulares. Para controlar nossos gastos, temos os aplicativos financeiros. Os nossos compromissos ficam anotados na agenda do smartphone. Sua rotina também é assim?
Agora vem a pergunta: se isso acontece na sua vida pessoal, por que seria diferente para uma organização? Aqui, precisamos nos lembrar de que a tecnologia é fundamental por ser um veículo para a realização das atividades e a obtenção de doações e recursos. Como Emília destaca:
"A tecnologia é o futuro de todo mundo. A gente está caminhando para isso, porque ela transforma tudo. As instituições precisam entender que, além de criar tecnologia, é preciso ensinar as pessoas a entenderem seu papel dentro da vida delas." Mas ainda tem mais. O papel da tecnologia no terceiro setor é variado. Ela serve, por exemplo, para:

  • controle interno;
  • simplificação das atividades;
  • realização de campanhas para conseguir voluntários e doações.

Um dos objetivos da tecnologia é permitir o cumprimento da legislação vigente. Por isso, ela é uma atividade secundária que ajuda a colocar em prática o objeto-fim.
Muito confuso? Vamos explicar: ao deixar claro quais são os ganhos e os gastos da sua instituição, sua ONG passa a ter uma melhor reputação. E isso é importante para o engajamento da sociedade, obtenção de recursos e doações. Assim, fica mais fácil atender seu público alvo, como moradores de rua ou auxiliar as famílias ribeirinhas, por exemplo.
Além disso, existe a obrigação de divulgar as ações nos portais da transparência. Aqui, precisamos deixar claro que essa exigência é feita apenas para instituições que usam recursos públicos. De toda forma, você acha que essa medida é importante somente para as organizações sociais que se encaixam nesse critério?
Claro que não! A transparência é fundamental para todos os tipos de organizações do terceiro setor. A tecnologia serve, então, para melhorar a reputação, aumentar a credibilidade e trazer confiabilidade à OS.
Sem isso, as atividades podem ser colocadas em xeque e até acabar. "Tudo isso precisa mostrar a verdade, porque se não for verdadeiro, a instituição pode fechar as portas e mudar de país. Afinal, há um controle social muito grande em cima dessas informações" , diz Emília. Apesar disso, ainda existem instituições com apenas um ou dois computadores, enquanto outras têm tecnologia de ponta. Esse cenário precisa ser mudado, você não acha? Afinal, a tecnologia traz segurança, confiabilidade e precisão nos dados para o terceiro setor.
O que fazer? É preciso usar ferramentas tecnológicas, soluções adaptadas para a realidade da sua organização. Ter acesso a plataformas web e a sistemas de integração ajuda a aumentar a qualidade dos serviços que você realiza todos os dias. E esse é o objetivo, certo?
Mais do que isso, a tecnologia ajuda o terceiro setor a se envolver com a comunidade. Ou seja, é uma questão de sobrevivência e, também, de criar possibilidades e buscar a inovação.

Vantagens dos recursos tecnológicos

Citamos, abaixo, os principais benefícios da tecnologia para o terceiro setor. Veja quais são eles!

Envolvimento com a comunidade

Chegar às pessoasé o primeiro benefício — e um dos principais. É necessário investir em tecnologia e na comunicação para tornar o trabalho conhecido e conseguir mais doações. Até porque vai ser difícil alguém conhecer as ações da sua organização, se você não divulgar, não é?
Por isso, essa é uma forma da ONG deixar de ser dependente apenas do recurso público, que pode ser insuficiente. "Se ela não investir em comunicação, se não mostrar que existe, tem um trabalho bacana e realmente age de acordo com o interesse público, está fadada ao insucesso" , destaca a diretora executiva da Eleva Consultoria.

Responsabilidade

É uma essência do terceiro setor, que começa no cuidado com as pessoas e vai até a transparência dos dados. Por isso, Emília fala que é necessário aliar a responsabilidade ao envolvimento com a sociedade civil. Veja:
Um relatório global sobre tecnologia em 2017 mostrou que 66% das instituições já priorizam as mídias sociais. Dentro desse percentual, 92% usam o Facebook para se comunicar. Por isso, as instituições estão entendendo o quanto é importante falar sobre elas para a comunidade usando essas ferramentas tecnológicas.

Transparência

Ser verdadeiro é o primeiro passo para qualquer instituição que queira se tornar conhecida. É a transparência que tanto falamos até agora. Hoje, as pessoas vão pesquisar para ter mais informações e, se encontrarem algum erro, elas denunciam. Para evitar isso, você precisa realizar um controle interno embasado na tecnologia.

Facilidade na realização de campanhas

Ter um núcleo de tecnologia dentro do terceiro setor é fundamental para o sucesso das iniciativas. Por quê? Bom, já explicamos que é para ter transparência, melhorar a reputação, fortalecer o controle interno e mostrar a credibilidade para a sociedade.
Nesse momento, você pode se perguntar o que é preciso ter? Os requisitos são:

  • os equipamentos mínimos, para facilitar o trabalho;
  • as pessoas que entendam das ferramentas;
  • uma área de transparência para mostrar os dados;
  • uma rede de comunicação nas redes sociais, a fim de se tornar conhecido e ter investimento na área.

Tendências da tecnologia no terceiro setor

O governo federal já reconhece a necessidade de ajudar as instituições do terceiro setor a terem acesso à tecnologia. Essa é uma vantagem, porque você pode colocar nos planos de trabalho as despesas com ferramentas, apesar de elas serem consideradas secundárias.
Mas ainda tem outros fatores. Mesmo que não tenha investimentos do setor público, vale a pena investir no fato da tecnologia ser o futuro — como já frisamos. Emília reforça:
"Se a instituição quiser existir, ela tem que existir em vários âmbitos governamentais. Para isso, é preciso ter o mínimo de tecnologia, porque os sistemas 'conversam', usam dados importantíssimos, desde o momento de receber um recurso até prestar contas. Não tem como fugir disso. Caso contrário, você depende das doações da comunidade e nunca vai crescer. Então, obrigatoriamente, a gente precisa se movimentar nesse caminho. A sustentabilidade não existe se as pessoas não se envolvem." Esse trecho deixa claro o porquê você precisa investir em tecnologia no terceiro setor. Hoje, esse recurso é como o ar para os humanos, ou seja, indispensável. Logo, é a principal tendência para o segmento. Ainda tem mais!
É importante abranger as redes sociais, os sites e os blogs. Afinal, esses canais ajudam a fortalecer a comunicação e permitem que as instituições cheguem aonde desejam. É isso que você quer?
Então, invista em tecnologia, esse é um recurso valioso para transformar o mundo em que vivemos. Assim, sua causa vai ficar mais conhecida e será apoiada. Aproveite para formar parceria com uma empresa especializada em soluções tecnológicas para projetos sociais e ONGs. Com isso, sua instituição poderá alcançar todos os setores da sociedade. Reflita sobre o assunto!
Entre em contato com a Codebit e conheça nossas soluções específicas para o terceiro setor!

Envelope fechado

Assine nossa Newsletter

Receba nossos conteúdos