/// Tecnologia

Tecnologia e mercado: quais as habilidades do profissional do futuro?

Confira um panorama do cenário corporativo e descubra as capacidades necessárias para o profissional do futuro.

Data de Publicação: 21/06/2021

Embora o avanço tecnológico tenha gerado inúmeras mudanças em nossas vidas, a verdade é que já não conseguimos imaginar nossos dias sem os dispositivos móveis e os diversos outros aparelhos criados dos últimos tempos. Por mais que muitas pessoas tenham, inicialmente, resistido à era tecnológica, é impossível ignorá-la, ainda mais agora, em tempos de pandemia e de consequente distanciamento social.
Sem dúvidas, nos tornamos dependentes, somos reféns de softwares e de ferramentas específicas para desempenhar nossas relações pessoais, de consumo e, até mesmo, de trabalho.
Isso porque, o mercado de trabalho, em um panorama geral, também evolui com o passar do tempo. Prova disso são as Revoluções Industriais, que permitiram a difusão dos maquinários e impulsionaram a chegada da tecnologia, grande responsável por transformar o formato dos negócios, bem como as operações das empresas.
Hoje em dia, chega a ser redundante afirmar que a modernização invadiu o ambiente de trabalho, mas a verdade é que, mais do que nunca, os profissionais precisam se adequar a essas mudanças e aprimorarem competências.
Nesse contexto, ao invés de resistir, é preciso aproveitar os desafios e oportunidades gerados pelo avanço tecnológico.
Inclusive, muitas empresas já estão preparadas para receber profissionais qualificados, mas a grande dificuldade  é encontrar pessoas capacitadas para desempenhar as funções e suprir as demandas.
Portanto, é de extrema importância que os profissionais se preparem para imergirem no novo mercado, e para isso, existem inúmeros fatores que devem ser considerados. Descubra quais são eles no artigo que a equipe do CodeBlog preparou para você.

A urgência da requalificação profissional

De acordo com estudo realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mais de dez milhões de trabalhadores precisam passar pela requalificação profissional até 2023, para que a economia brasileira possa, de fato, se desenvolver. Dentro desse cenário, não há como negar a influência da tecnologia e a necessidade de investimentos  nos negócios e nos colaboradores para estimular a rentabilidade e a competitividade do mercado.
Junto à urgência da requalificação profissional, surge, também, uma dúvida sobre as perspectivas para o futuro das profissões. Afinal, as mudanças apenas começaram. Passaremos por inúmeras delas daqui em diante, e, é preciso, antes de mais nada, saber como enfrentá-las.

Viver na caixinha não é a solução

Por mais que muitos profissionais se acomodem em seus cargos e encargos, chegou a hora de sair da caixinha. A tecnologia não veio para atrapalhar e, embora muitas vezes pareça um pouco confusa, todo esse avanço surgiu para facilitar o desenvolvimento de funções que antes nem mesmo existiam.
Mas, como sair, de fato, da zona de conforto? O primeiro ponto é compreender a necessidade de uma educação continuada para a própria sobrevivência no universo corporativo. Um diploma de graduação é apenas o primeiro passo para seguir com a evolução.
Do mesmo modo, as universidades também tiveram que se adequar a essa nova realidade, por isso, os cursos de graduações, técnicos e especializações já não são mais os mesmos. As grades curriculares, por exemplo, são remodeladas semestralmente para acompanhar a evolução tecnológica e possibilitar, cada vez mais, a formação de profissionais atualizados e capacitados para se destacarem no atual mercado de trabalho.

Entretanto, para isso, é necessário que os trabalhadores se ajustem aos novos moldes exigidos pelo mercado de trabalho. Confira, a seguir, um panorama geral e descubra o que as companhias esperam do profissional do futuro.

As novas relações de trabalho

Não é somente o mercado de trabalho que sentiu as mudanças causadas pelo avanço tecnológico. As relações corporativas também mudaram. Hoje em dia, um colaborador não tem mais apenas uma contratação de trabalho fixo (CLT), nem exerce uma única carga horária.
Além dos autônomos e terceirizados, vários profissionais são contratados por projetos, eventos e ações que demandam flexibilidade de horários e de dedicação. Para isso, saber otimizar o tempo e apresentar capacitação são fatores são fundamentais para esse mercado.

As profissões do futuro

Devido ao avanço tecnológico e às mudanças provocadas nas gerações, o cenário profissional caminhará rumo a diversas tendências específicas. Por isso, algumas áreas, principalmente aquelas inseridas nos meios digitais, terão mais destaque futuramente. São elas:

  • Desenvolvedor de software:
    Para realizar manutenção, criar e analisar plataformas em sistemas computacionais.
  • Professor online
    Para ensinar e capacitar pessoas a partir da tecnologia digital na educação.
  • Analista de Big Data
    Para analisar e compreender todos os dados consumidos e informados na internet.
  • Social Media
    Para administrar perfis e consolidar empresas no ambiente digital.
  • Customer Experience (Experiência do cliente)
    Para garantir a boa relação entre empresa e consumidor.
  • Profissionais de saúde mental
    Para tratar o psicológico de todas as pessoas que sofrem com as pressões impostas por todos os lados de um cotidiano frenético.
  • UX Design
    Para garantir que sites ou aplicativos apresentem design capaz de atender às expectativas dos usuários.
  • Engenheiro de nuvem
    Para analisar dados e sistemas de computadores baseados em nuvem.
  • Desenvolvedor de back-end
    Para otimizar os sites e organizar todas as informações que chegarão aos usuários, por meio da linguagem de programação.
  • Segurança da informação
    Para cuidar da cyber segurança dos sistemas.
  • Especialista em e-commerce
    Para gerenciar as estratégias adotadas em lojas online.

Habilidades e competências para as profissões do futuro

Como mencionado anteriormente, conforme as empresas evoluem tecnologicamente, algumas competências se tornam mais necessárias.
Em meio a esse constante processo de mudanças, algumas funções se tornam menos requisitadas, já que podem ser automatizadas ou, até mesmo, deixarem de existir. Por outro lado, outras demandas surgem, equilibrando, assim, o novo cenário no mercado de trabalho.

Habilidades digitais para as profissões do futuro

Confira algumas das habilidades mais requisitadas para as profissões do futuro:

  • Habilidades tecnológicas: capacidade para pesquisas, para analisar dados e para capacitação em TI. Além disso, é um diferencial ter noções preliminares de programação e de design.
  • Habilidades cognitivas: Apresentar uma boa escrita e habilidades em análises e raciocínio em geral.
  • Habilidades emocionais e sociais: Capacidade de aprendizagem contínua, de  bom relacionamento interpessoal, de empatia, de pensamento crítico e de persuasão.

Enfim, gostou de saber mais sobre o panorama geral do novo cenário corporativo? Conte para nós em nossas redes sociais (Facebook, Instagram e LikedIn) e continue de olho no CodeBlog. Em breve, teremos muitas novidades por aqui.

Envelope fechado

Assine nossa Newsletter

Receba nossos conteúdos